Notícias

POLÍCIA COMUNITÁRIA

Coordenadoria de Polícia Comunitária intensifica as ações sociais da PJC na Capital

15/06/2018 - 14:01

Assessoria | PJC-MT

Visando intensificar as ações sociais da Polícia Judiciária Civil na região metropolitana, a Coordenadoria de Polícia Comunitária da PJC, realizou diversas entre os dias 11 a 14 de junho, na Capital. Mais de 200 pessoas, entre adolescentes, pais e professores participaram das atividades que abordaram temas como “Bullying” e “Exploração do trabalho infantil”.

Segundo o coordenador da Polícia Comunitária, delegado Gênison Brito Alves Lima, o desenvolvimento dos trabalhos vão ao encontro dos objetivos traçados no planejamento estratégico da Polícia Civil, apresentado na última quarta-feira (13.06). “Os objetivos, estratégias e ações estão sendo formulados com a finalidade de alcançar eficiência, eficácia e efetividade no desempenho das atribuições de polícia judiciária. Nossa maior missão é expandir as atividades de Polícia Comunitária intensificando nossas ações sociais”, destacou o delegado.

Bullying

No dia (11.06), o investigador Ademar Torres reuniu 115 alunos do 5º ao 9º anos de uma escola particular para uma conversa com tema “Bullying”. A ação na escola se estendeu até a noite, momento em que a conversa foi realizada com os pais. A ação na escola faz parte da estratégia de mobilização para encontrar a melhor maneira de atuar junto aos alunos a fim de contribuir e manter uma cultura de paz dentro da escola prevenindo e evitando o fenômeno da violência “bullying”.

Exploração do trabalho infantil

Outras duas palestras sobre Exploração do trabalho infantil foram ministradas, na quinta-feira (14), pelo delegado de Polícia Gênison, para cerca de 80 crianças e adolescentes do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) Getúlio Vargas, situado no bairro Residencial Coxipó, em Cuiabá.  A temática, abordada nos períodos matutino e vespertino, ocorreu em alusão a semana de erradicação do trabalho infantil. “Esta data foi criada por iniciativa da Organização Internacional do Trabalho, uma agência vinculada à Organização das Nações Unidas (ONU), em 2002”. disse o palestrante.

Para a gerente do Cras, Carla Costa Braga, as ações realizadas pela Polícia Comunitária são de suma importância, pois nos ajudam a sensibilizar a todos e minimizar situações de vulnerabilidade e risco social. “Uma vez que atendemos pessoas com vulnerabilidade social, principalmente crianças que no contra turno da escola estão matriculadas aqui no CRAS. Elas são atendidas nos projetos de serviço de convivência e fortalecimento de vínculo, bem como o projeto Siminina, em que trabalhamos com eles atividades lúdicas e palestras sobre datas especiais”, disse.

 

Compartilhe essa notícia